sexta-feira, 3 de julho de 2015

Não pendure a sua harpa!!!

1. Junto aos rios da Babilônia, ali nos assentamos e choramos, quando nos lembramos de Sião.

2. Sobre os salgueiros que há no meio dela, penduramos as nossas harpas.


3. Pois lá aqueles que nos levaram cativos nos pediam uma canção; e os que nos destruíram, que os alegrássemos, dizendo: Cantai-nos uma das canções de Sião.

4. Como cantaremos a canção do Senhor em terra estranha?


Esse salmo, juntamente com os 7:11-17; 35; 58; 69 e 83 formam os chamados "Salmos de Imprecação", mas o 109 talvez seja o mais imprecatório de todos eles. Imprecação é proferir orações para invocar a ira de Deus sobre os ímpios, no 137 por exemplo, o salmista pede a Deus que retribua a maldade dos Babilônios e dos Edonitas, mas não quero me aprofundar nesse quesito, apesar da exegese do salmo em questão exigir isso. Permita-me compartilhar com você que está lendo o meu blog, um pouco daquilo que o Espírito Santo tem ministrado ao meu coração!!!

Quando paramos para meditar na situação a qual o salmista escreve esses versos, prontamente nosso coração se entristece ao tentar imaginar o aperto e a saudade que aqueles judeus enfrentavam, cativos na Babilônia, assentados ao fim do dia talvez, depois de muito trabalhar, e tentar orar a Deus, mas o que eles conseguiam era somente chorar, e ao invés de tocarem suas harpas, haviam pendurado nos salgueiros, e quanto mais olhavam para elas, mais choravam, pois suas harpas, que antes eram usadas para entoar o louvor e a adoração ao Deus de Abraão, de Isaque e Jacó, no Templo construído pelo grande Rei Salomão, considerado uma das 7 maravilhas do mundo antigo, agora destruído e reduzido a cinzas e a grande Jerusalém, a cidade do nosso Deus, feita um monturo e ruínas. Aquelas harpas, eram motivo agora de lembrar toda essa tragédia, por isso, aqueles que os tinham levado cativos, pediam que eles entoassem os cânticos de Sião, para que a ferida nunca cicatrizasse, e o lamento fosse cada vez mais terrível e tenebroso.
Diante desse quadro, de desgosto e desolação, aos prantos, eles diziam: como entoaremos o cântico do Senhor, em terra estranha? Como eles adorariam a Deus, mediante aquela situação de vergonha, desprezo e miséria? Como entoar os cânticos usados no templo, para celebrar as festas e as maravilhas de Deus?

O imigrante não tinha forças sequer para cantar, tamanha era a tristeza provocada pela saudade. As lembranças de Sião estavam “circulando” em sua memória. Nenhuma ciência ainda foi capaz de medir nossas emoções, mas Deus em sua eterna sabedoria nos dotou de vínculos e laços de amor que perduram uma vida, até mesmo quando chega à morte. É quando percebemos intensamente o significado que pessoas têm para nós. É quando chega um tipo de saudade que não pode ser saciada, deixando marcas que somente o tempo é capaz de amenizar. 


1 – JUNTO AOS RIOS DA BABILÔNIA, NOS ASSENTAMOS E CHORAMOS



QUANTAS VEZES NOS VEMOS “CATIVOS” DE SITUAÇÕES, DE EMBARAÇOS, CATIVOS DE DÍVIDAS,
ENFIM, REFÉNS DE SITUAÇÕES QUE NOS FAZEM SENTAR E CHORAR?

• CHORO DA AFLIÇÃO ( Jo 16:33 ) – APERTO, ANGÚSTIA
CHORO DA INCAPACIDADE (Is 1) – INSUFICIÊNCIA 
• CHORO DO ARREPENDIMENTO (2 Co 7:10 ) Pecado arraigado em nossa existência

2 – NOS SALGUEIROS PENDURAMOS AS NOSSAS HARPAS


• Os salgueiros representam o lamento. Para nós aqui no Brasil essa árvore é o chourão. Representa 
o lugar da derrota, onde “penduramos” as nossas harpas, que são o símbolo da alegria e do júbilo.
As Harpas eram os instrumentos da alegria e da presença de Deus na vida do seu povo. 
É momento de pendurarmos as nossas harpas?
• Muitos tem se sentado e chorado, e como se não bastasse, estão pendurando as suas harpas.
Enquanto fazemos isso, bandeiras estão sendo hasteadas, em ataque ao evangelho, em ataque a
Igreja de Cristo na terra.
• Enquanto recuamos, o mal avança, assolando a humanidade...

• Podemos chorar, o choro pode até durar uma noite, mas não pendure a sua harpa, porque
alegria ela vem pela manhã.....

Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia.
Portanto não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares.
Ainda que as águas rujam e se perturbem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza. (Selá.)
Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo.
Deus está no meio dela; não se abalará. Deus a ajudará, já ao romper da manhã.
Salmos 46:1-5

3 – QUEM NOS LEVOU CATIVO, PEDIA CANÇÕES



Quantas vezes somos zombados por aqueles que nos rodeiam?
Somos zombados pelo “inimigo” que nos faz cativos.
A zombaria coloca em prova a nossa fé.

Antes, santificai ao Senhor Deus em vossos corações; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós,
1 Pedro 3:15

4 – COMO ENTOAREMOS O CÂNTICO DO SENHOR EM TERRA ESTRANHA?

• Você está vivendo no "país distante" das derrotas, apertado por nostalgias? Os israelitas poderiam
 ter demonstrado que a presença de Deus não está limitada por geografia ou circunstâncias, porque,
afinal, como disse o Ap. Paulo aos Romanos, no cap. 8

Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a
fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada?
Como está escrito:Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia;Somos reputados
como ovelhas para o matadouro.
Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou.
Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados,
nem as potestades, nem o presente, nem o porvir,
Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor
de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor.

Aprenda a levar louvor aos lugares de opressão. Talvez seja no lar, entre parentes incrédulos. No
local de trabalho, onde você se sente solitário, ou no exílio de suas depressões.

Alguns acham difícil cantar o "cântico do Senhor" na terra estranha dos desapontamentos, das
perdas e perplexidades.

Mais que ninguém, Jesus viveu em terra estranha. Porém, Ele recusou pendurar Sua harpa nos
salgueiros de Seu exílio. Ele deve ter cantado em muitas circunstâncias da vida, mas apenas uma vez
o Novo Testamento registra que Ele cantou. Sabe quando? Na noite escura de Sua grande prova (Mt
26:30). Lembre-se disso sempre e anime-se. 

Portanto, ainda que tudo pareça desmoronar ao seu redor, faça como Habacuque fez:

Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; ainda que decepcione o
produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento; ainda que as ovelhas da
malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado;
Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação.
O Senhor Deus é a minha força, e fará os meus pés como os das cervas, e me fará andar
sobre as minhas alturas.

Continue a sua jornada até o fim, pois Fiel é Aquele que te chamou das trevas para a Sua
Maravilhosa Luz.

Abaixo, quero deixar recomendado essa canção para você, que tinha pensado em "pendurar a sua
harpa" antes de ler esse sermão.
Deus abençoe a sua vida, e se precisar, pode entrar em contato comigo.
Pastor Fernando Favoretto