domingo, 10 de junho de 2012

Grande e Extensa é a Obra.....

Boa noite!!!

Estive pregando ontem (09) na cidade de Monte Sião-MG, no X Aniversário da Assembléia de Deus Bom Retiro, Pr Edvaldo Silva, meu grande amigo. Quero parabenizá-lo pelo trabalho ali naquela cidade, e pelos resultados nesses 10 anos a frente daquele trabalho. O tema da festividade era esse, Neemias 4:19b - Grande e extensa é a obra.......e quero aqui transcrever um pouco do que falei ali. Segue:


“GRANDE E EXTENSA É A OBRA, E NÓS ESTAMOS APARTADOS DO MURO, LONGE UNS DOS OUTROS. NO LUGAR ONDE OUVIRDES O SOM DA BUZINA, ALI VOS AJUNTAREIS CONOSCO; O NOSSO DEUS PELEJARÁ POR NÓS.”

Neemias empreendeu uma das maiores reformas já produzidas por um homem, em tão pouco tempo, dispondo de reduzida mão-de-obra e enfrentando as mais diversas adversidades e afrontas de inimigos e daqueles que não queriam ver o crescimento da obra de Deus. Com certeza, ao declarar essas palavras, Neemias tinha em mente os mais de 5000 metros de muros a serem  construídos. Hoje, quando se fala em erguer muros de 5000 metros quadrados não parece ser uma tarefa difícil, pois existem tijolos, blocos de cimento pré-moldados, cimento e todo material necessário, além dos terrenos serem já preparados, feita a terraplanagem com grandes máquinas, mas e no caso de Neemias, o que ele tinha? Além de contar com pessoas que já há muito tempo estavam em Jerusalém vivendo em miséria, sendo o opróbrio e a vergonha diante da sociedade, sem contar que, passado já quase cem anos, haviam promovido uma reforma insignificante no templo.

NEEMIAS TINHA CONSCIÊNCIA DA GRANDIOSIDADE DA OBRA, PELO FATO DELA SER DO GRANDE DEUS...    

ð  Ele ouvira falar da situação dos muros, das portas e do povo
ð  MUROS FENDIDOS
ð  PORTAS QUEIMADAS
ð  POVO EM GRANDE MISÉRIA

Neemias realizava a grande e extensa obra de Deus, porque era o marco de início do cumprimento da profecia escatológica das setenta semanas de Daniel. Deus havia revelado a Daniel há pelo menos 100 anos atrás os acontecimentos dos tempos do fim. E início de toda escatologia bíblica se inicia aqui, com a reconstrução das muralhas de Jerusalém. Neemias não tinha plena consciência realmente do tamanho da obra a qual ele se empenhou e que estava sendo usado pelos eternos propósitos de Deus, mas ele havia se entregado totalmente para esse propósito. A grande pergunta que surge é se nós temos consciência da grande e extensa obra de Deus? Será estamos realmente engajados nela, ainda que não saibamos o que está por vir, mas temos fé, que o querer, tanto quanto o efetuar, estão nas mãos de Deus?
Satanás tem derrubado os muros e queimado as portas deixando muitas pessoas, famílias, empresas, igrejas e nações em grande miséria, essa é a arma dele, derrubar os muros e queimar as portas.

Os muros falam da separação do Espiritual e do Carnal, do Santo e do Profano, do Puro e do Imundo. Quando comparamos a obra de Neemias com a obra a qual estamos engajados, fica claro, que não há nenhuma alvenaria a ser construída, nem tijolos e nem cimento, porém, esse muro é a santidade em nossas vidas que demarcam os limites daquilo que pode e o que não pode entrar em nossas vidas, em nossas casas, em nossas famílias, em nossa igreja. Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas me convém. O Relativismo tem feito com que muitos muros caiam, permitindo que o pecado entre na igreja, com outros nomes, lobos com peles de ovelhas.  Através do relativismo, aquilo que era pecado, hoje já não é bem assim, precisamos ser mais toleráveis, dizem eles. Seus discursos são de que hoje em dia, prevalece a opção do indivíduo, se ele ou ela faz a sua opção sexual, ninguém tem nada a ver com isso. O povo na época de Neemias, havia se acostumado a viver daquela forma, não havia portas, nem muros, e eles estavam misturados entre os povos pagãos, e não faziam a diferença, nem eram a referência de povo de Deus para as nações. E é exatamente assim que o diabo quer ver a igreja, quer ver os crentes, sendo iguais ao mundo, que o crente não seja careta, quadrado, mas tem que ser igual a turma, andar com eles, como eles,  fazer o que eles fazem. Mas não é assim que diz a palavra de Deus, em Salmos 1 :


Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.

Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite.

Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará.
 Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha.

Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos.

Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá

A igreja de Jesus é a luz do mundo e o sal da terra, e enquanto ela está aqui, e enquanto você crente, está aqui, é o farol que aponta o caminho da salvação para os perdidos, é o sal que preserva essa mundo de apodrecer totalmente. Enquanto eu e você estivermos aqui, haverá diferença, enquanto erguemos as muralhas, haverá luz, haverá sal. Por causa de nós, Deus manifesta o seu poder, manifesta a sua glória, quando a igreja está reunida para adorá-lo, Ele se faz presente no meio dela, porque Ele habita no meio dos louvores do seu povo, isso tudo acontece porque Grande e extensa é a obra de Deus, ela vai além dos limites da nossa compreensão, e do nosso entendimento. É por isso, que precisamos ter como exemplo o que aconteceu nos dias de Neemias, e como o povo nos levantar e edificar, e esforçar as nossas mãos para o bem, e ter a convicção de Neemias que disse: O Deus dos céus é o que nos fará prosperar, nós os seus servos, nos levantaremos e edificaremos. Quando edificamos o muro, o pecado fica do lado de fora, satanás fica do lado de fora, tudo aquilo que não presta fica do lado de fora. Dentro estão os que são servos e escolhidos, os santos do Senhor.

Na resconstrução dos muros, Neemias observou que pela extensão dos muros, eles estavam longe uns dos outros. Isso é uma grande verdade, nesse momento eles estavam na metade dos muros, período que indica uma grande propensão ao desânimo, a vontade de parar e de ficar desapercebido (Aviva Senhor a tua obra, no meio dos anos a notifica....) Neemias ao dizer que estavam longe uns dos outros estava preocupado com o desempenho da Obra e da segurança dos edificadores. As vezes, estamos empenhados na “grande obra de Deus em nossas vidas” o que nos faz, estar na mesma igreja, levantando a bandeira do mesmo evangelho, adorando o mesmo Deus, mas longe uns dos outros. Estar longe uns dos outros, traz o individualismo para dentro da igreja, muitas vezes até dentro da família, resultando na falta de comunhão, consequentemente não haverá unidade, sendo assim, cada um está construindo seu murinho, no seu mundinho. Isso representa um grande perigo a obra de Deus e a nossa segurança. Vejamos o que diz a palavra de Deus em Efésios 4:


Rogo-vos, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados,

Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor,

Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz.

Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação;

Um só Senhor, uma só fé, um só batismo;

Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos vós.

Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz a igreja, não erremos, essa é a palavra de Deus, e não podemos fugir dela, nem distorcê-la, aonde querem parar com esse evangelho barato de hoje em dia, de um deus que é escravo, que colocam ele na parede, que exigem dele as coisas, estão querendo inverter as coisas.

Neemias disse: Nós os seus servos, nos levantaremos e edificaremos, e o Deus dos céus é o que nos fará prosperar........querem prosperar, mas não querem ser servos, nem se levantar para edificar nada...........
Para finalizar, Neemias, entendento a grandiosidade da obra de Deus, e reconhecendo a distância entre eles, ordenou que onde se ouvisse o som das buzinas, ou das trombetas, que o povo se ajuntasse. É claro, que essa era uma ordem em caso de uma investida do inimigo, de uma iminente guerra, mas a pergunta é: Quando foi que o diabo deixou de investir contra as nossas vidas, e deixou de fazer guerra contra a igreja? 1 Ped5:8 Nunca Não é mesmo? E ele vai continuar até o arrebatamento da igreja. Por isso o som das buzinas jamais deve acabar, o som do nosso louvor e da nossa adoração devem ser constantemente. Esse som deve ser ouvido pelo diabo, pois enquanto ele ouve o barulho da igreja ele passa longe.....Esse som deve ser ouvido pelo mundo, quando ao olhar para a igreja, e para cada um de nós, vêem que algo diferente está acontecendo, como no pentecostes, quando de repente, ouviu-se um som, como de um vento veêmente, mas não era um vento, era o som do Espírito Santo......

E essa deve ser a nossa marca, fazer ouvir o som das buzinas........
Que o diabo ouça e bata em retirada................
Que o mundo ouça e venha correndo para ver o que está acontecendo...........

Que o Senhor Jesus abençoe a sua vida!!!

Pr Fernando Favoretto